terça-feira, 14 de março de 2017

Detectada actividade cerebral inexplicável 10 minutos depois da morte


Médicos canadianos depararam-se com um caso muito estranho. Quando os aparelhos de suporte de vida de um paciente foram desligados, o indivíduo apresentou atividade cerebral persistente mesmo depois de ser declarado clinicamente morto.

Durante mais de dez minutos os médicos confirmaram a morte com várias observações, incluindo a ausência de pulsação e pupilas não responsivas. Mesmo assim, o paciente tinha as mesmas ondas cerebrais do sono.

“No paciente, as ondas delta persistiram depois de não haver qualquer ritmo cardíaco e pressão sanguínea”, informaram os médicos da Universidade de Western Ontario.

Os especialistas também descobriram que a morte pode ser uma experiência única para cada indivíduo. Outros três pacientes terminais que também tiveram os aparelhos desligados no mesmo hospital foram acompanhados, e os médicos observaram que as suas atividades cerebrais eram diferentes, tanto antes como depois da morte clínica.

“Havia uma diferença significativa na amplitude da eletroencefalografia entre 30 minutos antes e 5 minutos depois de ser declarada a morte”, explica Loretta Norton, líder da equipe de médicos que registou o fenómeno.

Os médicos dizem que ainda é muito cedo para saber o que é que este acontecimento significa para a experiência da pós-morte. Na ausência de qualquer explicação biológica sobre o que fez o cérebro continuar ativo durante tanto tempo depois da ausência de batimentos cardíacos, os especialistas dizem que a observação pode estar incorreta.

Mas os equipamentos utilizados não mostram defeito ou sinal de funcionamento incorreto. Os exames realizados aos quatro pacientes mostram o momento da morte no 0, e quando o coração parou de bater alguns minutos depois dos aparelhos terem sido desligados.


A atividade cerebral desaparece alguns minutos antes do coração parar de bater nos pacientes 1, 2 e 3. No entanto, no paciente 4 a atividade cerebral continua durante 10 minutos e 38 segundos, depois da morte clínica.

As observações foram publicadas na revista The Canadian Journal of Neurological Sciences.

fonte: Hypescience